APHV RECUPERA E VAI LANÇAR DISCO DO FOTÓGRAFO HAROLDO PAZINATTO

APHV RECUPERA E VAI LANÇAR DISCO DO FOTÓGRAFO HAROLDO PAZINATTO
Capa do disco de acetato ilustrada pela APHV

A APHV (Associação de Preservação Histórica de Valinhos), para celebrar os 95 anos de nascimento do fotógrafo Haroldo Pazinatto, divulgará em seu canal no YouTube, a partir da próxima quinta-feira, dia 26, um trabalho inédito de recuperação e digitalização de um disco gravado pelo fotógrafo.

Haroldo nasceu em Valinhos no dia 26 de março de 1925. Além da paixão pela fotografia, segundo seu neto, Marcel PazinattoHaroldo era um entusiasta da música, notadamente, da italiana. E, isso fez com que ele integrasse o antigo Coral Santa Cecília de Valinhos e o Coral Municipal de Valinhos, sendo que neste último foi um dos integrantes mais antigos.

Haroldo faleceu em 2001, deixando um enorme acervo fotográfico e um expressivo acervo de discos de 78 rpm. O total de discos é de aproximadamente 300 unidades, os quais atualmente estão localizados na sede da APHV”.

APHV RECUPERA E VAI LANÇAR DISCO DO FOTÓGRAFO HAROLDO PAZINATTO
Haroldo faleceu em 2001, deixando acervos fotográficos e de discos

Marcel conta que sua família tinha conhecimento de que, na década de 1950, seu avô havia gravado um disco de acetato, que até pouco tempo atrás não havia sido localizado. Um disco de acetato é feito de alumínio e recebe um banho de acetato de celulose. Diferentemente dos discos de vinil, que são para produção em massa, os de acetato quase nunca são fabricados para vendas, sofrem maior desgaste e são altamente valorizados por sua raridade. Em 2016, Marcel, atual presidente da APHV, encontrou o disco.

Em setembro de 2018, Marcel junto com João Pedro Arake foram até o engenheiro eletrônico Sérgio Lima Nascimento, especializado em masterização e restauração de áudio, no Rio de Janeiro, e restauraram um dos discos. São duas músicas italianas: “Vivere”, escrita pelo compositor italiano Cesare Andrea Bixio e “Torna a Surriento”, escrita pelos compositores italianos Ernesto e Giambattista De Curtis. Ambas foram acompanhadas de um piano e gravadas em estúdio na cidade de Campinas, em 1951.

Segundo Marcel, no começo da música “Vivere”, Haroldo diz a data de gravação (23 de setembro de 1951) e faz um oferecimento. “Sabe-se que essa gravação foi alusiva à passagem de um ano de seu casamento e o disco foi um presente para sua sogra, Luiza Cedran.

O trabalho, intitulado de “Senza Malinconia”, que em português significa “sem melancolia”, poderá ser acessado pelo link: https://youtu.be/G6PFbP4kxIo  ou diretamente no canal da APHV YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco! whatsapp
Rolar para cima